Sobre o Projeto

PROJETO DOM QUIXOTE

“Sem limites no ensinar”

JUSTIFICATIVA

Buscar a mudança de paradigmas pedagógicos nos quais os professores se sentem limitados. Conforme o tempo passa, novas necessidades e tecnologias surgem, modificando em processo exponencial a visão e comportamento dos alunos, exigindo assim, novas filosofias e práticas de ensino que tornem o processo de educação mais saboroso.

OBJETIVOS

  • Melhorar a relação aluno-professor;
  • Facilitar o processo ensino-aprendizagem;
  • Tornar o ambiente da escola mais lúdico e fraterno;
  • Intensificar a interdisciplinaridade;
  • Estimular a criatividade dos professores.

METODOLOGIA

  • Elaborar vídeos temáticos abordando as diversas competências;
  • Criar paródias que estimulem a compreensão dos conceitos e que resumam as teorias/definições ensinadas;
  • Utilizar dinâmicas que correspondam aos objetivos estipulados a cada aula;
  • Personificar figuras históricas por meio da “máquina do tempo”;
  • Divulgar por meio de redes sociais, blog do projeto as tarefas realizadas;

 

DURAÇÃO

O projeto ocorrerá com os alunos durante todo o período letivo.

 

AVALIAÇÃO E RESULTADOS ESPERADOS

  • Verificação e análise dos resultados por meio de avaliações geradoras de índices educacionais em âmbito nacional;
  • Retorno produzido pelos alunos dentro da sala de aula;
  • Reconhecimento da comunidade escolar.

 

IDEAL DOM QUIXOTE

Em tempos de crise é natural muitas pessoas desistirem de seus projetos pessoais e abandonarem seus ideais. Em nossa luta diária por uma educação melhor nos sentimos como o famoso personagem do livro de Miguel de Cervantes, Dom Quixote; somos “cavaleiros andantes”, pois acreditamos que a visão quixotesca da educação possa chegar a muitos lugares. Vemos o que a maioria não consegue ver, não existem limites em nosso globo ocular e não nos importamos que os “dragões sejam moinhos de vento”…

Muitos conhecem a história bíblica do cego Bartimeu (Mc 10, 46-52). Quando ele se aproximou de Jesus, o Mestre dos mestres perguntou a ele: “O que queres que eu te faça?”. E a resposta, uma das mais lindas orações, foi esta: “Que eu veja novamente”. A resposta de Bartimeu é muito interessante, pois ela pode ser associada ao nosso trabalho, especialmente em tempos de crise. Para que as coisas deem certo em sala de aula e em toda organização escolar, é fundamental que “vejamos novamente” o que nos fez estar ali e o que nos motivou a escolher essa profissão. Não basta ser criativo, é necessário ser inovador. Quando estamos afundados em decepções e nos sentindo vítimas de todo o processo, devemos procurar reeducar nosso olhar, tendo em vista que nossos alunos carregam consigo carências que mal imaginamos. Existem as necessidades que conseguimos ver pela linguagem corporal, falada e escrita,… Entretanto, há outras carências que só podemos perceber se enxergarmos nossos alunos com um olhar sob a perspectiva da eternidade. A grande luta é não ver o que nosso educando é, mas sim o que ele pode se tornar.